Resenha

8pi, a nova história em quadrinhos de Danyael Lopes

Quadrinista brasileiro lança obra que aborda a questão indígena, a mitologia tupi-guarani e elementos do imaginário nacional/regional.

No ano de 2018, Danyael foi novamente selecionado pelo ProAC, resultando na publicação da obra que resenhamos. Inclusive, o lançamento de 8pi ocorrerá proximamente: no dia 14 deste mês, das 16h às 19h, na Livraria da Vila (unidade Lorena), em São Paulo.

Desde a chegada dos europeus às terras brasileiras, passando pela edificação do Viaduto do Chá sobre o Vale do Anhangabaú, em São Paulo, até, mais recentemente, a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, localizada na bacia do Rio Xingu, no Pará. Ainda que esses episódios históricos remetam a diferentes locais e séculos, uma realidade não se altera: a desumanização e violência perpetrados contra os indígenas, tidos como seres primitivos cujas vidas são escravizadas ou ceifadas em nome da “civilização” e do “progresso”. Eis aí uma das temáticas levantadas na primeira parte da HQ 8pi, de autoria de Danyael Lopes.

A narrativa é centrada na trajetória de Magé, jovem descendente da tribo Kobanipake que estuda em São Paulo, numa escola de matemática para superdotados. Após o falecimento de seu avô, ela retorna para Altamira, onde se depara com a perseguição do ocultista Hovah. Com vistas a sobreviver e a combater a degeneração de sua aldeia, a garota recorre ao auxílio dos Deuses Tupi-Guarani, partindo em uma jornada para despertá-los.

Capa de 8pi. Foto: Juliana Angelim.

 

Nessa parte inicial da saga de Magé (que significa “feiticeiro”, em tupi-guarani, de acordo com nota explicativa da própria HQ), vários personagens e mistérios são apenas brevemente introduzidos, estimulando a expectativa para que os conheçamos/descubramos na continuação da história em outro(s) volume(s). A ênfase maior está na apresentação da protagonista e na representação do universo cultural de um povo indígena, tanto visualmente (através, por exemplo, de trajes, pintura corporal, adereços e utensílios utilizados pelos personagens) quanto pela inserção de elementos e crenças que compõem o imaginário brasileiro e/ou amazônico.

Logo de cara, reconhecemos a famosa pedra muiraquitã, amuleto de cor verde comumente talhado no formato de um sapo. E, ao longo dos acontecimentos, também surgem pequenos sacis de duas pernas; o uirapuru, pássaro conhecido pelo seu canto estonteante; e o Mapinguari, espécie de macaco gigante com pelos espessos, um único olho na testa e a boca no estômago – além do Curupira, protetor das florestas que possui os pés voltados para trás, e que, em 8pi, encontra-se enredado em circunstâncias bastante intrigantes... Tudo isso enriquecido pelo traço sóbrio de Danyael e pela harmonia aprazível da paleta de cores adotada.

Uma das páginas da HQ. Foto: Juliana Angelim.

 

Dentre as sessenta e quatro páginas dessa edição, algumas são dedicadas a materiais extras: há esboços de personagens, primeiras versões de páginas específicas e um texto sobre o Mapinguari que reúne experiências de cientistas ao adentrarem as matas amazônicas para investigar a existência do “pé grande” temido pelos Caiapós e por outras etnias indígenas.

O autor e suas obras

Natural de São Paulo, Danyael Lopes iniciou sua carreira na década de 1990 como ilustrador para peças publicitárias. Já atuou como designer gráfico e animador 2D e 3D, bem como participou de exposições de artes plásticas – uma delas foi a Vivo Call Parade, em 2012, que selecionou noventa artistas para pintarem orelhões espalhados em várias áreas da capital paulista. Em 2013, foi um dos contemplados no Programa de Ação Cultural (ProAC) de Quadrinhos, lançando, em 2015, o título Cidadão N, pela editora Veneta. A HQ mescla magia, humor e aventura numa trama que transforma Alan Moore (criador de Watchmen e Do inferno, dentre outros) em personagem e coloca-o como vítima de sequestro por parte de personagens misteriosos, cabendo unicamente ao herói Cidadão N a possibilidade de resgatá-lo.

No ano de 2018, Danyael foi novamente selecionado pelo ProAC, resultando na publicação da obra que resenhamos. Inclusive, o lançamento de 8pi ocorrerá proximamente: no dia 14 deste mês, das 16h às 19h, na Livraria da Vila (unidade Lorena), em São Paulo.

Coment√°rios